sexta-feira, 29 de novembro de 2019

A Vida Nos Ensinando a Mudar





Semana passada foi a primeira vez em anos que eu não consegui preparar o texto da coluna. Imaginei que ninguém perceberia, mas fui surpreendido no fim do dia, quando várias pessoas enviaram mensagens perguntando o motivo do texto não ter sido publicado. É engraçado isso... A gente volta e meia acha que o que a gente escreve aqui, morre aqui. Mas não... De alguma forma, as palavras encontram alguém. Pessoas nos aguardam. E certamente é isso que acaba nos impulsionando.

O motivo de não ter conseguido publicar foi uma baita colelitíase, ou mais conhecida como crise de vesícula, que me derrubou. Fui parar no hospital com muitas dores e crise hipertensiva. E para piorar, devido à junção de dois medicamentos na veia, tive um certo surto psicótico – a tão chamada reação extrapiramidal, que quem já teve, não esquece. É uma doideira que provoca muita ansiedade, agitação, aperto no peito, falta de ar, angústia, movimentos involuntários e uma vontade louca de esganar quem está passando na sua frente.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Amor de Mãe





Minha mãe é nordestina, daquelas que saíram bem novinhas da sua cidade natal em busca de uma vida melhor para ela e os pais. Sim, durante muito tempo o seu salário como doméstica era para se manter aqui e ajudar a família, enviando um pouquinho todo mês.

Assim foi com a minha mãe, tias, tios, primos... Eu já nasci no Rio de Janeiro. Filho de uma nordestina e um baiano, uma mistura boa. Posso dizer que bem Carioca!

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Barbitúricos Chegou




O último fim de semana foi de muitas emoções para mim. A mais relacionada ao meu trabalho aqui neste blog foi o lançamento do nosso livro Barbitúricos, que juntou 20 crônicas de cada um dos cinco colunistas do Barba Feita. Como quem me lê aqui geralmente sabe, já lancei dois livros meus, em 2012 e 2016, e participei de uma coletânea antes, em 2009. Mas um novo livro é como um novo filho: nenhum é igual ao outro.

Barbitúricos me permitiu algo que nenhum dos meus livros anteriores conseguiu: ter um recorte do que eu realmente penso, e não do que eu imagino, como nas minhas ficções. São coisas muito distintas e agradar leitores de um dos gêneros não é tão fácil quanto de outro. O resultado? Só veremos com o tempo....

terça-feira, 26 de novembro de 2019

Religião Não Define o Caráter de Ninguém





Muito se falou sobre o último capítulo da novela das nove, A Dona do Pedaço, na semana passada e, em especial, a última cena, que ilustra este texto. Críticas à parte, sobre bizarrice ou canastrice, o que me levou a desenvolver meu pensamento hoje não foi a obra em si, mas o recado subliminar que tinha naquela cena. Já estava pensando em algo, quando meu irmão Felipe me sugeriu o título do texto, e pensei que minha percepção estava no caminho que eu queria.

Pois bem, muitos falaram, para variar, que a Rede Globo é uma emissora satânica, que prega o mal, ou que é contra os valores morais e religiosos, destacando em seus discursos que suas obras fomentam comportamentos ruins nas pessoas. Sério mesmo? O fato é que não estou aqui para defender emissora A ou B, até porque não ganho para isso, mas para dar minha impressão de espectador assíduo de telenovelas e o que algumas obras me trazem de lição e reflexão. 

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Divã: Experimentar ou Não Com Minha Amiga Bissexual?








Querido amigo lindo, preciso muito de ajuda! Adoro ler seus comentários bem humorados e sábios, então resolvi te procurar, pois sei que talvez você possa me ajudar.

Há muito tempo tenho uma curiosidade enorme, quero saber como seria uma experiência lésbica… entende? Nunca tive coragem de tentar e também não surgiram oportunidades, porém, há um mês descobri que uma amiga minha (que é muito gatinha, diga-se de passagem) é bi. E foi então que pensei:  'chegou a hora!' Massssssss… Tenho namorado… e não quero perdê-lo.

Então, quis ser sincera e comentei com ele que tinha essa curiosidade, mas que queria experimentar sozinha (no caso de ele querer participar da festinha). Ele foi enfático ao me responder que não importa o sexo da outra pessoa, ele considera isso como traição e não perdoaria.

O que eu faço? Tá difícil segurar. Sinto tesão pensando em como seria, entende? Esses pensamentos não me deixam em paz. Então:

(   ) Faço escondido?
(   ) Termino e choro de saudade mas um belo dia eu me apaixono novamente?
(   ) Fico na minha?
(   ) Nenhuma das anteriores?


Minha ‘amiga’ está só esperando minha resposta.

Beijos,
Curiosa Indecisa

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Junior e a Masculinidade Tóxica




Como prometido por mim, fui ao "último" show de Sandy & Junior e que vai virar especial de 7 episódios sobre os bastidores da turnê no Globoplay.  Pois bem, ao fim de todo aquele alvoroço que foi reviver um repertório que a gente sabe cantar de trás pra frente, me peguei pensando em como todo esse retorno da dupla foi mais do que especial para o Junior, que cresceu aos olhos de todos os fãs e haters da dupla. 

Se você acha que hoje em dia existe um machismo forte, não quero nem falar dos anos 90/2000. Durante anos ele sofreu todo o tipo de julgamento. Alguns diziam que não sabia cantar; outros, que não podia dançar; que não deveria ter o cabelo grande; que era muito santinho; e, a grande parcela, que que ele era muito afeminado... De todas as maneiras possíveis, sua masculinidade foi questionada, antes mesmo até dele ter alguma chance de mostrar um mínimo interesse em meninas ou meninos. O famigerado "rótulo" já estava ali esperando por ele. De alguma forma,  Junior já não "representava", aos olhos de outros "caras", o que era ser homem. E ainda bem! 

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Arrumando a Casa





Outubro sempre foi o mês das mudanças na minha vida. Inclusive, no ano passado escrevi uma coluna sobre isso (Outubros). Mas, esse ano tem me surpreendido muito. Aliás, 2019 tem sido um anozinho que está em pauta desde a virada de 2018, não é? Um ano que parece ser um eterno inferno astral desde que começou, não só para mim, mas para a sociedade de uma maneira geral. Talvez por isso, esse ano esteja sendo tão atípico, inclusive no mês das mudanças e reflexões da minha vida. Novembro tem sido um mês pra lá de agitado! Muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo, muitas mudanças ocorrendo, muitas conclusões sendo clarificadas.

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Um Dia de Chuva em Nova York




Woody Allen é um diretor profícuo. Apesar da idade - e das inúmeras polêmicas - Allen continua em atuação e lançando novos filmes, que oscilam em qualidade e sucesso. E Um Dia de Chuva em Nova York (A Rainy Day in New York, 2019) é um bom exemplar do trabalho do diretor, mas que empalidece no quesito arte, ofuscado pela eclosão, por ocasião de sua filmagem, do escândalo familiar - e sexual! - envolvendo Allen, sua ex-esposa Mia Farrow e a filha adotiva Dylan Farrow. Foram as polêmicas também que atrasaram a estreia do filme que, finalmente, chega ao Brasil na próxima quinta-feira, 21/11, distribuído pela Imagem Filmes. 

Se há alguma novidade em Um Dia de Chuva em Nova York? Sendo bem honesto, não. Trata-se de um típico filme de Woody Allen, com os tipos característicos, os diálogos espertos, a belíssima fotografia e atores bem dirigidos. Dessa vez, cabe a Timothée Chalamet, o atual queridinho de Hollywood, dar vida ao alter-ego de Allen, como um rapaz meio estranho, mas adorável. E como musa do projeto, Allen escolheu Elle Fanning, como uma jovem avoada e de moral levemente questionável, mas que seduz a câmera (e os personagens masculinos) junto com a plateia.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

O Mundo em Inferno Astral





Eu tô exausto, dentro do olho de um furacão e insuflado devido ao meu inferno astral. E é inadmissível que em pleno século XXI ainda estejamos agindo como australopitecos, que certamente deveriam ser bem mais sociáveis.

Mas não canso de repetir, quase como uma espécie de mantra, que apesar de toda a evolução tecnológica que o mundo tem vivenciado ao longo dos anos (principalmente nos dez últimos), uma grande parcela da sociedade regrediu sua forma de pensar e está querendo empurrar os demais para o abismo. Tá puxado!

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Nós Vamos Lançar Um Livro!





Você não leu errado. A gente vai lançar um livro e minha ficha ainda não caiu direito. Tenho o maior respeito do mundo por todos os autores que conheço, incluindo o próprio Paulo Henrique Brazão e o Marcos Araújo, que já são autores de algumas obras. Só que nunca me imaginei estando desse outro lado da folha. Não ser o cara que lê, mas o que é lido. Sei muito bem que isso também ocorre com os meus textos semanais aqui do Barba Feita, mas é que nunca imaginei esses textos imortalizados, entende? Páginas de um livro soa eterno... para além da nossa existência.

Sempre me pergunto o que Machado de Assis pensaria nos dias de hoje sobre o questionamento de Capitu. Será que ele tinha ideia do poder de cruzar barreiras ao escrever Dom Casmurro? Um livro que foi publicado em 1899 e até hoje deixa marcas e um rastro de dúvidas em que lê. Afinal, Capitu traiu Bentinho?

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

"Costa do Brasil" Rima Com "Chernobyl"




Fui chamado de última hora a colaborar com o Barba Feita, para substituir o rapaz das quartas-feiras que não conseguiu dar as caras ainda. Achei uma boa oportunidade, pois há muitas coisas para discutirmos no Brasil e no mundo atualmente... A América Latina está de novo em chamas, com manifestações no Chile contra o governo, cerco contra a Venezuela de Maduro, eleição de Fernandez e Kirchner na Argentina, Bolívia sofrendo golpe de Estado... Tudo isso com um governo brasileiro que abana o rabo para os Estados Unidos de Trump e vota contra Cuba na ONU, apoia senadora fundamentalista que quer expulsar os índios na Bolívia... Olha, tá pesado.

Mas não precisamos ir muito longe para vermos as patetices do atual (des)governo brasileiro... Uma tragédia já se abate sobre o nosso litoral há muitas semanas, sem NENHUMA ação – eu digo NENHUMA – efetiva da União: manchas de óleo se alastram do Maranhão até o Espírito Santo, e, ao que tudo indicam, chegarão em breve à costa do Rio de Janeiro. É o maior desastre ambiental do nosso litoral e nada é feito pelo Planalto para de fato combater. O governo tentou achar culpados, mirou na Venezuela primeiro, depois num navio grego (com óleo venezuelano...) e nada resolveu. A corrente traz o poluente, que já atingiu paraísos praticamente intocados, até o Rio e, talvez agora, possa ser que se cocem... Já que o problema passa a ser no quintal de alguns dos poderosos.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Cada Um Acredita No Que Quer Acreditar




Mais uma semana, mais uma terça, mais uma coluna a ser escrita.

E, não diferente de algumas vezes (acho que já até escrevi sobre falta de inspiração para escrever), minha mente está meio lenta hoje. Sabe aquela máxima do tenho preguiça de...? Pois é! No momento ando com preguiça de situações e pessoas. Mas muito preguiçoso, mesmo!

E se vocês perguntarem se existe algum motivo ou alguém em especial, lhes digo: não. É de um modo em geral mesmo. Muito trabalho e um consequente cansaço fez com que pensasse durante a semana passada: hoje não, amanhã escrevo. E com esse pensamento consecutivo diário, o que aconteceu? Passaram-se dias até a véspera da coluna ser publicada.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Fui Banido do Tinder




Sempre fui muito ligado em redes sociais. Nos primórdios da internet, quanto tudo isso aqui era capim e eu comecei a me aventurar por esse mundo fantástico da vida online, eu fazia amigos (e outras coisinhas mais) no Bate Papo UOL e trocávamos nossos usuários no ICQ. Na época da internet discada, era depois da meia-noite e por meio do pai dos atuais comunicadores que a gente se divertia.  

O tempo passou e vieram outras ferramentas de comunicação. Do ICQ a galera migrou para o MSN. Até que surgiu a primeira rede social que bombou no Brasil: o Orkut. E o Fotolog. E o Facebook. E o Instagram. E se muita gente usa as redes sociais para arranjar encontros e para conhecer pessoas, o que dirá dos aplicativos de pegação relacionamento, não é mesmo?

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Não Vamos Nos Acovardar!




"Nós estamos sendo criminalizados, nós estamos sendo atacados, nós estamos sendo condenados (...), nós vamos emburrecer se tivermos que vir nesse plenário defender o óbvio. E é isso que nós estamos fazendo. Que absurdo é esse de ter que sentar aqui e falar [o óbvio]! (...) Somos um mercado que tem que ser respeitado e nossos representantes têm que ser nossos representantes, não podem ser nossos antagonistas. Não vamos nos acovardar, nós temos uma lei de uma mãe da cultura brasileira que foi atacada diretamente no coração, isso atingiu a todos na jugular. Nós estamos bravos, tristes."
A declaração acima é de Dira Paes, uma das minhas atrizes favoritas. Descendente de europeus, índios e africanos, Dira nasceu no interior do Pará e teve uma infância pobre, ao lado de outros sete irmãos. Formou -se em Artes Cênicas e Filosofia e, para mim, é um exemplo de mulher batalhadora, lutadora, persistente e resistente. 

terça-feira, 5 de novembro de 2019

A Contradição do Patriotismo “Brazileiro”



Antes que tentem me consertar pela americanização no título, que fique claro: ela é proposital. Perdi a quantidade de vezes que se falou, aqui no Barba, sobre as ações do atual governo federal, mas essa é uma pauta que vira e mexe nos incomoda. E, por nos incomodar, trazemos à tona essas reflexões para que, um dia, quem sabe, consigamos fazer com que algumas pessoas entendam que esse governo é um serviço contra a nação, ao contrário do que ele prega o tempo todo em seu discurso cada vez mais hipócrita. 

Na última semana, vi algumas pessoas nas redes sociais que idolatram esse senhor, criticando os eventos de Halloween, a despeito de ser uma tradição norte-americana. As frases de efeito exaltavam Saci Pererê e outras personagens famosas do folclore tupiniquim. Oras, mas não seria o atual presidente o maior incentivador de nos tornarmos à imagem e semelhança dos EUA, visto que seu maior ídolo político da atualidade (não preciso citar que os outros que fizeram história e que merecem a sua admiração são grandes exemplos de fascismo) seria o atual presidente americano? Que patriotismo contraditório, não?

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Pop Séries: The O.C.




Muito antes de nos apresentar a vida dos ricos e glamourosos jovens da elite de Manhattan, em Gossip Girl, Josh Schwartz já havia sacudido o universo das séries adolescentes ao mostrar que a vida de jovens ricos pode não ser necessariamente feliz e um mar de rosas. The O.C. (O.C.: Um Estranho no Paraíso, no Brasil) era ambientada na paradisíaca Newport Beach, em Orange County, na Califórnia, e narrava a vida de um grupo de jovens entre a riqueza e as inquietações da adolescência de forma tão verossímil que ganhou fãs em todo o mundo, agradando a públicos de várias idades e diferentes pontos do globo. 

O ponto de partida da série acontece quando o advogado Sandy Cohen (Peter Gallagher), por se identificar com Ryan Atwood (Benjamin McKenzie), um jovem problemático envolvido em problemas com a lei devido à influência de seu irmão, o acolhe em sua casa em Newport Beach. A princípio, sua esposa Kirsten Cohen (Kelly Rowan) é contra a decisão do marido, com medo da influência de Ryan sobre o filho do casal, Seth Cohen (Adam Brody), mas com o passar do tempo, Ryan acaba se integrando e fazendo parte da família.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Acordem!




Quando eu fazia o primeiro ano do ensino médio (eu era do tempo que chamavam de primeiro ano do segundo grau), havia um livro bem no estilo “tijolão” chamado História das Sociedades, que me acompanhou durante os três anos de estudos. Hoje eu entendo o porquê daquele livro ter me causado tantos pesadelos... Eu não era maduro o suficiente para compreender aqueles textos recheados de reflexões complexas para a minha mente, pois estávamos acostumados com aquele be-a-bá simplório. 

Fui “doutrinado” que Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil, que Tiradentes, tal como um Jesus Cristo, era o líder da Inconfidência Mineira, e Duque de Caxias, um pacificador. No ensino fundamental existia uma matéria chamada EMC - Educação, Moral e Cívica. No ensino médio, tinha OSPB (Organização Sócio-Político Brasileira), ambas, incluídas no currículo pela imposição militar. Nossos cadernos não podiam ter desenhos. Geralmente eram capas neutras, encapadas com plástico transparente azul e no verso, algum hino.