quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

O Pornô Que Virou a Cultura Brasileira




Quando soube que os cartazes de filmes nacionais haviam saído das paredes da Ancine, eu ri. Só poderia ser mais uma mentira, das tantas que recebemos nos últimos anos em grupos de WhatsApp ou através de Twitter, Facebook e até contas de Instagram. Mas fui inocente em pensar nessa alternativa e dar, para o que vem acontecendo no nosso país, o benefício da dúvida. 

Os pôsteres saíram, uma sessão de A Vida Insivível, filme que concorre uma indicação ao Oscar 2020, não aconteceu para funcionários do governo e por aí vai. Nada disso chega a arrepiar minha espinha e me assombrar. Já esperava por "algo" assim contra a cultura. Afinal, se algumas guerras ensinaram alguma coisa, com toda certeza a primeira lição foi destruir a cultura e todas as suas possibilidades. 

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Caramba! Meu Dia Só Tem 24 Horas!?




Você já se pegou falando que está sem tempo, que não tem tempo para nada ou que seu dia tinha que ter mais de 24 horas? Sente que vive numa correria danada, sempre sentindo como se estivesse atrasado para todo e qualquer lugar que você precisa ir? Não consegue dormir direito ou ter uma refeição tranquila e completa? Você sente, às vezes, como se a vida estivesse passando rápido demais, como se você não tivesse controle de nada?

Talvez você esteja sofrendo de Desorganização Crônica da Modernidade – codinome sintético para esse estilo de vida atual, onde estar atrasado, ocupado e sempre na correria virou status, mas que não leva ninguém a lugar nenhum. E, acredite: digo isso com propriedade de causa! Inclusive, estou escrevendo este texto nos “45 do segundo tempo”, pois o meu dia foi tão cheio, que sequer me dei conta de almoçar! Mas a correria valeu-me a reflexão de hoje.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Barbitúricos: Cinco Pais e Um Bebê




Sabem o velho clichê de que não podemos passar pela vida sem ter um filho, plantar uma árvore ou escrever um livro? Pois é, filhos nunca estiveram nos meus planos – e tenho quase plena certeza de que nunca estarão; já semeei plantas diversas, mas nunca plantei uma árvore - mas, vai que um dia rola; e, agora, eu escrevi um livro. Ou, pelo menos, 20% de um livro. E vocês não imaginam o prazer e a felicidade que é ver uma ideia que surgiu tão despretensiosamente virando realidade, ganhando páginas, mobilizando pessoas e ganhando “vida”. 

Barbitúricos: 100 Pílulas do Barba Feita surgiu por acaso. Foi o Marcos Araújo, nosso colunista das sextas-feiras quem sugeriu a ideia como forma de comemoração dos cinco anos de existência do projeto e nós fomos cooptados por ele, que foi um líder nato, nos guiando, cobrando e fazendo essa ideia virar realidade. Até que no último dia 23 de novembro, dentro do evento LER - Salão Carioca do Livro - e é chique demais dizer isso, tivemos o lançamento oficial de Barbitúricos, com direito a sessão de autográfos, fotos e overdose de amor e carinho de amigos e conhecidos. 

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Cinquenta





Provavelmente eu seja um cara meio aferventado por ter nascido em um ano pra lá de frenético, pois foi marcado por fatos inesquecíveis. O ano de 1969 foi privilegiado em tantos avanços científicos e tecnológicos que hoje é impossível ver a vida sem aqueles grandes passos.

Já que estamos falando de passos, não podemos deixar de iniciar com os mais famosos que foram marcados naquele ano: Neil Armstrong foi o primeiro homem a pisar na Lua. Depois de viajar quase cinco dias para chegar, ficaram por lá por duas horas e quarenta e cinco minutos... Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade, disse o astronauta. Eu ainda estava na barriga da minha mãe, mas certamente ela se arrepiou vendo aquelas imagens na tevê em preto-e-branco e cheia de chuviscos.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Ainda Bem Que Eu Sou Flamengo





O dia do lançamento do nosso livro, Barbitúricos, também foi muito importante para mim por outro motivo. Muitos sabiam que eu estava inquieto porque era a final da Copa Libertadores da América de futebol e o meu time, o Flamengo, a estava disputando pela primeira vez em 38 anos (ou seja, eu nunca havia visto tal oportunidade). Futebol é um assunto raro aqui no Barba Feita (e creio que só apareceu pelas minhas mãos - talvez pelas do Marcos Araújo, se não me engano). Pode parecer superficial, mas nesse dia (e nos que se sucederam) foi muito possível comprovar que futebol é muito mais do que um monte de homem correndo atrás de uma bola.

A cidade estava mobilizada para o jogo. Boa parte do país estava. Afinal, o Flamengo tem mais de 40 milhões de torcedores. Isso é cerca de 1/4 dos brasileiros, mais do que um Canadá e quase uma Argentina inteira - aliás, o rival River Plate era justamente o segundo time mais popular da Argentina. Eu saí correndo do lançamento, atravessei a Avenida Presidente Vargas vazia (digno de uma final de Copa do Mundo - ou da novela Avenida Brasil), e me enfiei num boteco pé sujo onde eu sabia que uma amiga que havia ido aos autógrafos estava. Já havia começado o segundo tempo. Nunca imaginei tal situação...

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

É Tempo de Festa! Feliz Aniversário, Menino Furacão!





Dia 4 de dezembro é amanhã. Nele, comemoramos, na Igreja Católica, o dia de Santa Bárbara, que na umbanda e no candomblé, é conhecida como Iansã, Orixá dos ventos e das tempestades. O nome Iansã é um título que Oyá recebeu de Xangô. Esse título faz referência ao cair da tarde e pode ser traduzido como "a mãe do céu rosado" ou "a mãe do entardecer". Xangô a chamava de Iansã, pois dizia que Oyá era radiante como o entardecer ou como o céu rosado e é por isso que o rosa é sua cor por excelência, embora ela se manifeste também através do amarelo, marrom e vermelho. Seu dia da semana é quarta-feira. E é nesta quarta-feira, coincidentemente, que se comemora o aniversário do homenageado deste texto. O menino furacão, Marcos Araújo

Não menos coincidente, a personalidade deste cara tem muito a ver com tudo que Iansã representa. Seu raciocínio é rápido e reluzente como o raio. A coragem, lealdade, franqueza e a busca constante por transformações materiais, avanços tecnológicos e intelectuais e a luta contra as injustiças também são traços fortes de seu comportamento. 

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Estrada Velha da Tijuca ou Jardim das Delícias Terrenas





"Hoje eu vou servir o vinho. Hoje a noite é minha. Hoje consigo. Claro que consigo."

A inveja pode suscitar sentimentos e reações curiosas. Uma delas afligia C. A vingança. O sentimento é normal, eu sei. O curioso é o fato que ninguém além dele saberia ou reconheceria o ato como vingança.

F. tinha um compromisso. Ficou sabendo quase sem querer, por amigos comuns. Os adjetivos que lhe passaram pela cabeça não podem ser transcritos aqui sem as devidas tarjas pretas exigidas pelo estatuto de crianças e adolescentes.

Se mordeu ao pensar em outros olhares atingindo o corpo de F. Quão ousados eram tais atos? Não de quem era olhado, mas de quem olhava. Malditos olhares. A ousadia de F. era deixar-se tocar por mãos alheias. Sabia de sua predileção pelas mãos alheias. Já havia visto uma vez e não gostava de relembrar.