terça-feira, 24 de dezembro de 2019

É Natal: Ressignifique a Data, Renove Suas Atitudes




E se, em vez de falarmos de Natal, das festas em família, das trocas de presentes, nós procurássemos olhar para o mundo que está tão intolerante e sem compaixão? Que tal, agora nesta época do ano, entendermos a estrofe da famosa música eternizada na voz de Simone com um novo olhar? Um olhar para o outro, ao invés de um olhar egoísta sobre nossas próprias conquistas?

Penso (tomando como base até mesmo alguns comportamentos meus) que as pessoas tem se sentido no direito de serem rudes umas com as outras, sejam por estarem amparadas pelo escudo das redes sociais, seja por já não terem um fio de paciência, por tudo que ouvimos, por tudo que somos julgados, pela intolerância, pela falta de empatia.

E se, ao invés de falarmos do olhar materialista e individual da época do Natal, a gente lembrasse que é livre pra decidir? E se lembrássemos e falássemos sobre compaixão e respeito? E se lembrássemos das responsabilidades que nos cabem? E se falássemos de amor, no sentido amplo e subjetivo da coisa? 

Tantas pessoas passando fome, sem direito a um atendimento médico, passando frio, não sendo escutado por ninguém. Tantas crianças desrespeitadas, desassistidas, sem educação. 

Postar contra homofobia, feminicídio, preconceito de raça, religião ou classe social apenas pelo like da publicação, ou mesmo para amenizar sua consciência, não faz sua atitude efetiva se você não age. Não há solução para estes problemas, se não dermos nossa contribuição (real) para que a sociedade possa, de fato, mudar.

E se, ao invés de falar sobre nossas conquistas, falássemos de amor? Não os amores de filmes e poemas, mas o amor compartilhado, respeitoso, construtivo, auxiliador. 

Com Deus ou sem Deus, com religião ou sem religião, o verdadeiro sentido não só do Natal, mas de toda a nossa existência está lá na Bíblia, que muitos usam como pretexto para justificar suas próprias atrocidades: “amar ao próximo como a ti mesmo”. Deixe de usar o Natal como pretexto para se arrepender de tudo ou se sentir o máximo pelas suas conquistas e reflita sobre suas reais ações. Talvez você também precise, lá no fundo, de ajuda. Nem que seja pra entender, que ao final, você não fez absolutamente nada. 

Feliz Natal!

 Leia Também:
Leandro Faria  
Julio Britto: carioca, advogado, amante de telenovelas, samba e axé music. Ator nas horas vagas, fã de Nelson Rodrigues e tudo relacionado a cultura trash. É leonino de 29 de julho de 1980, por acaso, uma terça-feira, mesmo dia da semana colabora aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter



A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: