segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Uma Relação Tão Delicada: Uma Peça Tocante





Toda relação possui seus altos e baixos e isso é incontestável. O amor não garante que uma relação será tranquila eternamente e, principalmente quando há sangue envolvido, é quase impossível não haver embates. Quando são mãe e filha no centro dessa relação então, a questão é ainda mais complexa e... delicada. 

Uma Relação Tão Delicada, que entrou em cartaz no Rio de Janeiro na última sexta-feira, dia 10/01, no Teatro Vannucci, aborda a relação de uma mãe e sua filha ao longo de mais de cinco décadas. Com idas e vindas temporais, mostrando recortes da vida e da relação das protagonistas, acompanhamos como cada uma vai de cuidada a cuidadora, ao mesmo tempo em que precisam lidar com o amor e com a forma que a outra recebe e percebe esse sentimento tão intrínseco à relação de mãe e filha.

Dirigidas por Ary Coslov, Rita Guedes e Letícia Isnard estrelam a montagem que ficou conhecida - e premiada - no Brasil em 1989, quando Irene Ravache e Regina Braga viviam as protagonistas. Nessa nova montagem, Rita e Letícia passeiam por vivências e pela história da França no período pré, durante e pós Segunda Guerra, mas com a trama fixando-se na relação de mãe e filha, em momentos em que as personagens tem 7 e 22 anos, 15 e 30, 60 e 75 e por aí vai. É um exercício e tanto para as atrizes, que arrasam em seus respectivos papeis.

Rita Guedes, como a mãe, impressiona. É incrível como a atriz consegue viver uma senhora idosa e uma jovem mãe divorciada no período pré-guerra. Com o gestual e um grande controle corporal, aliados à sutis trocas de figurinos, Rita transita entre as idades da personagem, nos convencendo facilmente e nos situando em que época da vida daquela mulher estamos. 

Já Letícia Isnard tem a árdua tarefa de nos convencer como criança, adolescente e mulher adulta. E faz isso bem, recorrendo, assim com Rita, aos gestuais. Quando criança, Letícia utiliza-se de gestuais amplos, parecendo realmente uma menina vivaz. Adulta, nos mostra uma mulher centrada, que aprendeu bastante com a vida e é até mesmo um pouco comedida. 

Outro ponto forte da peça é nos fazer refletir sobre a nossa própria finitude. O envelhecimento das protagonistas faz parte da trama e do jogo em cena e, é praticamente impossível chegar ao final da peça sem nos emocionarmos com a história daquela mãe e filha, e sem trazer para as nossas próprias experiências o que vimos no palco. Como estou lidando com o amor que sinto por meus pais? Será que os valorizo enquanto ainda tenho esse tempo?

Com forte apelo emocional, Uma Relação Tão Delicada faz rir e nos leva à reflexão e é um programa imperdível. Indico fortemente para quem quiser se divertir e se emocionar. A peça fica em cartaz no Rio até 08 de março, no Teatro Vannucci, no Shopping da Gávea. Confiram!

 Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: