terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

A Insanidade da Vez do Ministério Tupiniquim




Vésperas de Carnaval e, ao contrário do que eu vi a minha vida inteira ao longo dos meus 40 anos, esse é o primeiro que não vejo nenhuma campanha do Governo Federal que fale sobre métodos de proteção sexual. A atual campanha, encabeçada pela sem cérebro ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, é sobre (pasmem!) abstinência sexual! A ministra, que mais parece um meme de tantas asneiras que produz, negou que suas convicções religiosas a influenciem na defesa da abstinência sexual entre adolescentes. Aham, sei.

Segundo ela, o argumento que está buscando é: “uma menina de 12 anos não está pronta para ser possuída. Se vocês me provarem, cientificamente, que o canal de vagina de uma menina de 12 anos está pronto para ser possuído todo dia por um homem, eu paro agora de falar”, completando que essa era uma demanda da família.

Minha cara ministra e todos entes componentes deste governo, demanda da família é educação, segurança e saúde. E não seria aplicando essas ideologias (que vocês teimam em dizer que não faz parte deste clã governamental), que se dará o que a população realmente precisa.

A sensação que eu tenho é de estar vivendo naqueles tempos em que as pessoas pagavam ao Bispo Macedo (amigo do Bolsonaro) para comprar um pedacinho no céu, mas que no fundo estavam ajudando ao líder religioso a comprar seu próprio pedacinho de patrimônio e não percebia o quão cegas e ignorantes estavam se tornando.

E, diferente de todos os meus textos que vocês acompanham, onde escrevo pencas, hoje resolvi me abster e escrever pouco para que reflitamos muito: deixe de conversar com seus filhos. Fatalmente o que acontecerá é que ele aprenderá da pior maneira as lições da vida, e sinta-se totalmente responsável por todas as consequências que acontecerem no caminho dele.

Por hoje basta porque já estou com vontade de vomitar.

Fiquem com a foto que ilustra esse texto e reflitam se essa pessoa é realmente digna de credibilidade.

Leia Também:
Leandro Faria  
Julio Britto: carioca, advogado, amante de telenovelas, samba e axé music. Ator nas horas vagas, fã de Nelson Rodrigues e tudo relacionado a cultura trash. É leonino de 29 de julho de 1980, por acaso, uma terça-feira, mesmo dia da semana colabora aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter



A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: