terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Não Se Leve a Mal, Mesmo no Carnaval...





Mais um início de carnaval e a história se repete: a festa continua dividindo opiniões. Há pessoas que morrem de amores pela folia e há aquelas que odeiam. Os motivos são muitos, para os dois lados. Não há como negar, porém, a importância que estes dias têm no calendário brasileiro.

Convencionou-se dizer que o ano só realmente começa, neste país, depois do carnaval. E, em parte, há verdade nisso. É preciso levar em conta, também, que esses dias são propícios para todo mundo: há uma infinidade de coisas que podem ser feitas – ou até mesmo não feitas – ao longo destes dias. Há maneiras de viver o carnaval para todos os gostos. Nas avenidas, nos blocos de rua, nos retiros religiosos e até mesmo nas maratonas de seriados que viraram moda nos últimos anos.

Há muitas reflexões possíveis de serem feitas a respeito do carnaval. Uma delas é a capacidade de encarar com leveza a aridez da vida. Olhando, por exemplo, a situação de nosso país: quem não reparou que as pessoas têm andado cabisbaixas nas ruas, que as conversas de ponto de ônibus e de boteco estão carregadas de peso e de lamentações? Nestes dias de festividades, um bom laboratório será o de observar as pessoas: não tenho dúvidas de que nas muitas folias espalhadas por aí, os brasileiros e brasileiras conseguirão celebrar e se alegrar, apesar de todas as dificuldades que continuarão reais nos dias de folia e, infelizmente, depois desses dias. Será bom reparar, também, como as questões sérias pelas quais estamos padecendo como nação aparecerão nos blocos populares, com criatividade, senso crítico e bom humor.

Mas, seja qual for a sua escolha, reforce seu senso de respeito. Respeito às escolhas do outro, respeito ao próximo, respeito às normas sociais e respeito, principalmente, a si próprio. Não deixe sua carne padecer depois pelas irresponsabilidades de um momento efêmero que existe, somente, para te trazer alegrias e não um futuro incerto e triste carregado de arrependimentos.

Feliz carnaval!

Leia Também:
Leandro Faria  
Julio Britto: carioca, advogado, amante de telenovelas, samba e axé music. Ator nas horas vagas, fã de Nelson Rodrigues e tudo relacionado a cultura trash. É leonino de 29 de julho de 1980, por acaso, uma terça-feira, mesmo dia da semana colabora aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter



A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: