sexta-feira, 18 de maio de 2018

Mind the Gap





Enquanto aguardava a chegada do trem na lotada plataforma da estação do metrô de Botafogo, observava o vai-vém frenético das pessoas, com uma certa tristeza no olhar. De um tempo pra cá, passei a prestar mais atenção nelas, sempre ávidas por chegar a um lugar imaginário, conectadas a seus inseparáveis smartphohes, como seus . Por mais que estivessem em grupos, pareciam estar cada vez mais isoladas, aprisionados em uma ansiedade constante. Zygmunt Bauman, o grande pensador da modernidade e o criador do conceito da liquidez presente na sociedade sempre esteve corretíssimo.  

Não temos mais tempo para ouvir a voz dos amigos. O feliz aniversário cada vez mais se resume a congratulações via WhatsApp e daqui a pouquíssimo tempo, imagens paralinguísticas resumirão fins de relacionamento, desejos de um feliz Natal ou Ano Novo. Nos bares, não existirão burburinhos. O eletro-tuntz-tuntz-tuntz reverberado das caixas de saída de um laptop sem DJ ecoarão nos rostos iluminados pelas telas dos celulares. Rostos vazios sintetizados a emoticons.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Anitta Como Técnica do La Voz... Mexico?!





Semana passada foi o fim das inimizades musicais. Tudo começou com Katy Perry e Taylor Swift dando uma trégua na treta fortíssima que rolava; Cardi B e Nicki Minaj aproveitaram o Met Gala e também se entenderam. E para fechar com chave de ouro, Anitta e Maluma voltaram a se seguir no Instagram... Foi ou não uma semana abençoada para música? 

Mas se tem um ditado que aprendi com Larissa, com toda certeza é: ranço, uma vez instalado, não tem volta. Então não aceitei, assim como outras pessoas que conheço, tão de "boa" esse follow back entre a dona do pop brasileiro e o embuste comlombiano. Sabia que teria que existir um motivo para eles se seguirem de volta. Estava até cogitando um single entre Anitta, J.Balvin e Maluma. Mas parece que é muito maior do que isso.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Lembranças Permanentes




Dia das Mães, para quem ama, ainda tem e mora perto da sua, é aquela data de lei de ir visitá-la. Esse ano, minha mãe resolveu passar com a minha avó. A matriarca já está com mais de 86 anos e agora os filhos buscam estar com ela mais tempo possível.

Voltar à casa da minha avó é rever tantas coisas da minha vida... Meus pais já se mudaram duas vezes desde que nasci. Eu já me mudei três vezes depois disso... E minha avó permanece na mesma casa desde muito antes de eu vir ao mundo. Ou seja, talvez residam ali as minhas lembranças mais permanentes até hoje. 

Assistir aos meus sobrinhos brincarem com as filhas da minha prima pelos quintais da casa dela e da minha tia, que fica logo atrás, é quase que um remake da nossa infância. Até porque as crianças são incrivelmente parecidas conosco mais novos. 

terça-feira, 15 de maio de 2018

Coé, Mãe?

A Leitura dos Gestos de Amor Materno, Pelos Olhos de Seus Filhos




Falar de mães é falar de Deus, pois no coração delas está o verdadeiro sentido do amor. Amor que serve como exemplo. Amor que nos é dado sem pedir recompensa, nem cobrança. Amor sem distinção, sem egoísmo; um amor que não mede esforços nem distância.

Tive o privilégio de, na vida terrena, ter duas mães. Uma, a biológica, infelizmente me deixou aos 43 anos, acometida de um derrame cerebral fulminante, que em menos de três horas a levou para morar no céu.... Na época eu tinha 13 anos e acho que ela instantaneamente virou um anjo da guarda para mim, porque me enviou outra (que ela escolhera para ser minha madrinha) e que a tem substituído de forma extraordinária durante os últimos 25 anos.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Sexo é Bom, Mas Quando é Ruim...




"O amor nos torna patéticos;
Sexo é uma selva de epiléticos..."
(Amor e Sexo - Rita Lee)

Ah, o sexo... Necessidade humana básica, né, mores? Quase sempre envolto por uma aura de prazer e satisfação, o ato sexual serve bem mais do que como forma de preservar a espécie humana, tendo se tornado um dos pilares da sociedade moderna. Ter uma vida sexual satisfatória é sinal de status, de auto-realização e quase uma obrigação. E sexo é bom pra caramba. Ou deveria ser... Deveria...

Porque tem o sexo ruim. Ou a falta de bom sexo. Ou aquela experiência BI-ZAR-RA que todo mundo já encarou um dia e ficou pensando: "OMFG, por que logo comigo?". Mas, fique tranquilo(a), você não está sozinho(a) no mundo de frustração.

Conversando com um amigo sobre uma situação sexual nada agradável onde ele se viu transando com alguém que ele denominou como o Galvão Bueno do Sexo, que narrava com detalhes o passo a passo do que estava acontecendo com os dois (Pode isso, Arnaldo?), eu tive a ideia da coluna de hoje. E, apesar de ter a minha cota de histórias um tanto quanto... peculiares, eu resolvi pedir ajuda pra galera que conheço e fiz uma postagem no Facebook pedindo ajuda. #SouDesses

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Chineladas




Qual o problema em ir ao shopping de chinelos? Eu não acho nada demais. Mas, acreditem: eu já fui muito criticado por isso. Uma vez um amigo me deu o maior esporro quando me encontrou de camiseta, bermuda e minhas inseparáveis Havaianas o aguardando na porta de um shopping, no Rio. Você vai entrar aqui assim? Óbvio que gargalhei na cara dele, segurei os chinelos na mão e entrei descalço, só para provocar ainda mais.

Essa semana o pessoal do Buzzfeed reacendeu essa polêmica. Alguém iniciou essa discussão no Twitter e Facebook dizendo que seria ridículo alguém entrar nos shoppings usando chinelos. Alguns defenderam, mas a grande maioria criticou, dizendo que era realmente muito vergonhoso. Não tem nada mais ridículo do que ir ao shopping de chinelo, puta que pariu, dizia um comentário. Juro que eu não consegui entender o porquê. Afinal, qual o problema nisso?

quinta-feira, 10 de maio de 2018

"As Gays Estão Salvando a Espelunca Deste País"




Foi exatamente o que li em um comentário de um vídeo musical no Youtube. Na hora, sem dúvida nenhuma, concordei com essa afirmação. Só olhar, por exemplo, o quanto as drags cantoras (Pabllo, Aretuza, Lia Clark, Glória Groove - ganhando mais evidências a cada dia) e as trans (Danna Lisboa, Linn da Quebrada e Assucena Assucena e Raquel Virgínia - vocalistas do grupo A Bahia e a Cozinha Mineira) estão conquistando espaço na cena musical brasileira. 

São músicas estourando nos streamings e festas de toda parte. Inevitavelmente esse é sim o certificado de sucesso na época de redes sociais e músicas online. Não somos mais reféns do que toca só na "rádio", mas do que viraliza musicalmente rede a fora.