sábado, 19 de dezembro de 2020

Barba Falha: Os Ranços de 2020

O clichê diz que "hates gonna hate" e, em alguns casos, ele é bastante verdadeiro. Entretanto, em 2020, o que o mais tivemos foi gente e coisas para odiar. Como o próprio ano, inclusive. Quanta gente desprezível e situações odiosas, pqp!

Com um inábil na presidência e imbecis à nossa volta ocupando os espaços e explodindo a nossa paciência, foi mais fácil ainda detestar quem mereceu. Trancados em casa, presos com nós mesmos mas com uma lupa voltada para o mundo e as notícias, o ranço reinou soberano.

Então, vamos à exposição? Com vocês, os ranços de 2020 para nós, colunistas do Barba Feita

Shame, shame, shame!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Preferidos do Barba: As Personalidades de 2020

Muito complexo ter que indicar as personalidades de um ano interminável e que praticamente não existiu. Um ano triste, com perdas irreparáveis. Um ano em que precisamos – por empatia – nos afastar das pessoas que amamos (que coisa surreal isso). Um ano em que vimos os profissionais de saúde, tantas vezes desmerecidos e desrespeitados, precisarem lutar na linha de frente contra um inimigo invisível. Um ano em que vimos negros sendo massacrados e literalmente sufocados pela hegemonia branca; um ano em que vimos mulheres sendo (continuamente) humilhadas. Um ano onde matas ardiam pelo descaso, um ano onde o negacionismo e a intolerância prevaleceram. 

Um ano para esquecer? Não! Um ano que precisa ficar sendo lembrado o tempo inteiro para que os mesmos erros não se repitam!

Assim, apesar dos pesares, temos nossos destaques e os dividimos agora com vocês!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

Preferidos do Barba: Maiores Saudades do Mundo "Normal"

2020 e as relações humanas. Esse é um TCC que estou louco para ler e não duvido que esteja sendo produzido neste exato momento. Acho que o maior uso das redes sociais e a possibilidade de fazer chamadas em vídeo, usando o nosso querido e amado celular, possibilitou e muito que a gente se sentisse perto, mesmo longe. Foi o acalento para inúmeras pessoas que moram sozinhas ou distante da família.

Apesar de amar os meus amigos, sentir falta de uma boa e velha mesa de bar, preciso admitir que minha maior saudade não inclui o levantamento de copos, mas a boa e velha arte do escurinho silencioso.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

Preferidos do Barba: Melhores Músicas de 2020



De todas as artes, a que mais me toca, sem dúvidas é a música. Ao mesmo tempo, sou um paradoxo, pois não tenho nenhum aplicativo estilo Spotify, Deezer, Youtube Music e afins... As novidades me chegam muito mais pelo buzz que causam do que porque eu sou de fato um grande consumidor de novas canções. 

E 2020 foi um ano tímido para a música também: muita gente do meio resolveu segurar lançamentos esperando o “vai passar” que até hoje não veio. Tivemos shows cancelados e sem a menor perspectiva de retomada. Afinal, qual artista sério vai querer seu nome associado a uma aglomeração, ainda que legalizada?

Mas como a arte é como aquele matinho que nasce na menor fresta do cimento, a música encontrou seu caminho em tempos tão hostis. E serviu ainda pra gente se sentir mais... vivo. Quem aqui não está doido para ouvir as novas da Lady Gaga ou da Anitta quando as festas voltarem (de forma saudável)? Aliás, justamente uma delas foi a minha escolhida como preferida entre as músicas do ano. Vamos conhecer a lista de Melhores Músicas de 2020 dos colunistas do Barba Feita?

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

Preferidos do Barba: Melhores Livros (Lidos) de 2020



2020, que ano! Difícil escrever sobre qualquer coisa melhor neste ano em que muitos segmentos foram prejudicados em função da pandemia. Em razão do trabalho, eu, em especial, estive mais envolvido com literaturas sobre equipes, lideranças e gestão do tempo, pois o trabalho me demandou (assim como de inúmeros outros terráqueos) uma carga laboral muito maior no home office. E eu precisava estar atento a estas questões para não surtar, e não surtar os outros... 

E falando em não surtar... Nos poucos momentos que me dediquei a uma leitura aleatória à rotina que descrevi anteriormente, resolvi ler biografias. Ainda mais sobre a vida de pessoas que eu já conhecia, assim seria mais fácil assimilar as informações pelo pouco de massa encefálica não atingida pelo cansaço do trabalho. 

Apesar de tudo, eis que estamos aqui, resistentes e prontos para gritar que sim, cultura e informação aqui no Barba não se calam! E, por essa razão, viemos compartilhar os Melhores Livros que lemos em 2020 e mostrar que a cultura, seja ela por qual mecanismo for, sempre irá nos trazer discernimento nos nossos pensamentos e atitudes. Eis os nossos escolhidos.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

Preferidos do Barba: Melhores Filmes e Séries de 2020

2020 será para sempre um ano histórico. Um ano que chegou prometendo muito e nos atropelou sem piedade, sem tempo algum para pensarmos no que estava acontecendo. De uma hora pra outra, planos foram desfeitos e a vida entrou em outro ritmo, outra pegada. Tivemos de nos despedir de pessoas, de repensar atitudes, de nos recolhermos e aprendermos a viver em isolamento. 

E, muitas vezes vezes durante esse ano, foi a arte que nos consolou e nos fez companhia. Logo ela, tão perseguida pelo atual governo brasileiro, tão desprezada pelos ratos que saíram dos esgotos nos últimos anos. Foi a arte que nos alimentou, que nos emocionou, que nos fez fugir da realidade que, muitas vezes, pareceu uma distopia cinematográfica ou seriada. 

Se para o cinema, o ano não pode ser considerado dos melhores, para as séries, ele foi incrível. Diversas produções ganharam nossa atenção e viraram assunto. Por isso, nada mais justo do que começar a nossa semana de Preferidos do Barba com essas produções: os Melhores Filmes e  as Melhores Séries de 2020.

terça-feira, 10 de novembro de 2020

Apócrifos (im)Perfeitos: Quando um Sonho Vira Realidade



É engraçado pensar em retrospecto e tentar me lembrar exatamente de quando comecei a ler. Eu tenho a memória do primeiro livro que li, mas não sei precisar quando foi que isso aconteceu. Sei que estava no colégio e, por algum motivo, entrei na biblioteca para pegar um gibi, que eu adorava. Mas, conversando com a "tia" que trabalhava lá, ela me perguntou se eu queria ler algum livro e eu disse que sim. E foi ela que me indicou Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato. Daí em diante, não parei nunca mais. 

Na escola, uma amiga e eu inventamos o Clube do Livro. Eu estudava em um colégio estadual que, naquela época, era referência de ensino. Lembro que a gente fez uma campanha de arrecadação de livros e, por não participarmos das aulas de Ensino Religioso (ambos éramos liberados por questões religiosas - de nossos pais!) montamos esse clube que era itinerante: os livros ficavam dentro de um carrinho de supermercado e passeavam pela escola sendo emprestados. Era muito divertido. 

Ainda novinho, li todos os livros de Monteiro Lobato. Descobri o suspense de Agatha Christie e o que eu considerava absurdamente sensual com os livros de Sidney Sheldon. E me apaixonei pela coleção Vaga Lume, sendo Marcos Rey o meu autor preferido da época. 

E lendo, eu sonhava em ser escritor. Como lia muito, comecei a escrever também e até lembro de fazer alguns "livros" com a mesma amiga que montou o Clube comigo. Eram cadernos com histórias e uns rabiscos que eram as ilustrações. Não faço ideia de onde isso foi parar e acho que eu iria rir muito (e me envergonhar um pouquinho) se me deparasse com alguma dessas "obras" hoje em dia.